Stress no Transito

Nobres leitores:

Venho hoje comentar com voces sobre uma causa muito comum hoje em dia, e que acarreta vários fatores até mesmo MORTAIS.

STRESS NO TRANSITO

Imagine um animal qualquer, ou mesmo um humano em estágio selvagem, que encontra um predador – ou seja: a ameaçadora figura de uma fera, com suas garras e dentes cortantes, faminta! Nesse momento, ocorre uma reação em cadeia da qual participam diversas estruturas nervosas e glândulas endócrinas, liberando neurotransmissores e hormônios, como por exemplo, a adrenalina. A liberação da adrenalina leva ao aumento da pressão arterial, à aceleração da freqüência cardíaca e do ritmo respiratório, entre outras reações. Essas medidas visam propiciar melhor oxigenação dos músculos, em geral, para que o organismo possa obter mais energia e assim, lutar ou fugir.

Pensemos agora no trânsito, lembrando que as ameaças mudaram, o cotidiano mudou, nossa forma de agir mudou, mas nosso corpo continua a reagir exatamente como o dos selvagens e o dos animais. A ameaça não é mais um predador, mas o “adversário” do carro ao lado. O veículo, como uma cápsula que envolve e protege o corpo, torna-se uma projeção deste. Da mesma forma que o pavão abre a cauda para exibir-se para as fêmeas e mostrar-se superior aos demais machos, homens desfilam acintosamente em seus carrões, sentindo-se “poderosos”.

Como se não bastasse a agressividade acentuada pelo stress diário e seus efeitos sobre o comportamento das pessoas nos trânsito, o próprio trânsito desencadeia as reações do stress, fazendo com que o comportamento agressivo de um motorista seja o detonador da agressividade de outrem e assim por diante. Temos então, um quadro caótico de motoristas mal-humorados, agredindo-se mutuamente, utilizando-se de suas máquinas-corpo para desempenhar uma luta sem vencedores. Engana-se aquele que acredita que, por ultrapassar ou fechar outro motorista, estaria ganhando uma competição… Em primeiro lugar porque essa competição não é real: só existe na mente primitiva do homem incapaz de tomar consciência de seus impulsos instintivos, muito menos de controlá-los!
O stress no trânsito predispõe as pessoas a acidentes e, sem dúvida, aumenta a violência urbana. São freqüentes as agressões físicas (até casos de homicídio) cujo início está na simples “fechada” que um motorista cometeu…Se pudéssemos utilizar a razão, a qual acreditamos ser atributo do ser humano, nada disso ocorreria. Nossa mente, racional, nos diz o quanto são incoerentes os atos agressivos no trânsito diário.. E será que o motorista que comete tais atos é menos racional? Ou estamos todos nós sujeitos a cometer tais agressões pela incapacidade de controlar os impulsos agressivos de um organismo estressado, preparado fisiologicamente para lutar ou fugir?…

A melhor forma de minimizar isso – já que não existe solução completa para problemas complexos– é tentar utilizar os mecanismos fisiológicos para controlar o stress. Reservar períodos para práticas como a meditação e exercícios físicos são apenas algumas, entre as muitas opções. Músicas suaves e relaxantes, respiração profunda, manter a mente quieta e ter bons pensamentos consistem em formas eficientes para diminuir as fontes do stress, internas, ou seja, combatendo as ameaças imaginárias (mesmo que sejam possibilidades reais: não estão presentes a todo o tempo!). Existem no mercado uma série de CD’s e fitas cassete com músicas para relaxamento, bem como com frases que induzem ao relaxamento profundo não devem ser utilizados no carro, pois diminuem o grau de atenção. Assim, no trânsito, não é o momento de relaxar para combater o stress, mas mantê-lo em níveis adequados, pois é um estado de alerta e de maior atenção, como disse no início. É necessário treinamento para descobrir que tipos de prática são mais adequadas, respeitando os limites de cada caso. Para alguns indivíduos ouvir música suave pode permitir atenção, enquanto que para outros poderia induzir ao sono. Músicas mais agitadas e com percussão forte tendem a aumentar o estado de alerta, porém podem se tornar fator de stress para quem já é habitualmente mais nervoso ou agressivo.

Vejamos agora uns vídeos sobre stress no transito.

Eu enfim faço parte desse cotidiano…

Abraços de seu amigo Falcon…

1 Response to “Stress no Transito”


  1. 1 Gabriela 10/25/2012 at 4:03 AM

    Muito Boa essa postagem, ajudou bastante no meu trabalho
    obrigada


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s




Categorias!

Twitadas:


%d bloggers like this: